Vitoria na cidade santa — Anapolina

 
 

/ notícias

compartilhar
27/06/17 - 14h38 - Atualizado em 27/06/17 - 14h38

Vitória na Cidade Santa

Anapolina supera seus pecados e vence o Monte Cristo

 

Vitória na Cidade Santa
Nonato comemora com seus companheiros um dos seus dois gols na partida
É tempo de sacrifício em Trindade, milhares de romeiros tomam as estradas até a Capital da Fé de Goiás sacrificando-se para agradecer as graças recebidas. Assim como estas pessoas de fé a Anapolina seguiu seu caminho até Trindade tentando se redimir dos pecados cometidos na última partida contra o Novo Horizonte jogando no Jonas Duarte, na qual saiu com um empate ao fim do jogo e não fazendo uma boa partida, e o cordeiro da vez acabou sendo o Monte Cristo que sofreu com a maior experência do time colorado e também com o carrasco chamado Nonato.
A necessidade de vitória estava estampada em cada jogador da Anapolina, jogar contra um time de garotos, que ainda não venceu na competição, além de jogar contra o destino da Xata de se complicar em jogos como esses, considerados mais fracos. Tudo isso pressionou o elenco colorado, não é fácil jogar com o favoritismo e contra jogadores que dão a vida para vencer um time melhor colocado como a Rubra. Talvez toda essa motivação ajudou o time do Monte Cristo a fazer uma boa primeira etapa, exigindo boas defesas do goleiro Clériston e pressionando o sistema defensivo colorado que sofreu, logo nos primeiros minutos, com a saída do lateral esquerdo Pedrinho com uma lesão no joelho.
Eis então o primeiro sacrifício da Xata, promover a estreia do jovem zagueiro Charles como um improvisado lateral esquerdo. Mesmo com dificuldades para se adaptar à posição o garoto foi melhorando e contribuindo com a equipe, mas sem a mesma ofensividade do lateral que saíra machucado. As boas saídas pelas laterais que a Rubra tem ficaram comprometidas e previsíveis pelo lado oposto com Lucas Mendes que fazia suas fortes arrancadas pela direita e conseguia levar bastante perigo com seus cruzamentos para os atacantes colorados.
O segundo sacrifício da Rubra em sua penitência durante a partida foi suportar a fragilidade técnica dos árbitros que conduziam a partida. Infelizmente, isso tem se tornado quase uma regra nos jogos da Anapolina, neste jogo em questão, o juiz deixou de marcar um pênalti claro em cima do atacante Saulo que tomou um carrinho nas pernas enquanto tinha a bola dominada pronto para um chute a meta adversária. Além disso, durante todo o jogo, a Rubra sofreu com impedimentos mal assinalados que não deixavam o time seguir com inúmeras jogadas perigosas no ataque.
Para completar o rol de sacrifícios, até o vento acabou atrapalhando uma melhor partida no primeiro tempo, já que a força da natureza impedia que passes mais longos chegassem com a mesma acurácia para os jogadores no ataque e em contrapartida, auxiliavam os adversários que aproveitavam faltas laterais para alçarem a bola na área e contar com a força do vento para fazer com que a defesa tivesse mais problemas para cortar os cruzamentos.
Com a mudança dos lados para a segunda etapa, parece que a sorte, assim como o vento, mudou para o lado da Rubra. Muito mais coesa e trocando mais passes, a Anapolina começou pressionar o adversário e fazer com que surgissem também mais erros dos inexperiêntes jogadores do Monte Cristo. Em uma rápida cobrança de lateral o atacante Saulo encontrou Lucas Mendes pela direita que cruzou, a bola passou por toda a zaga, sem ninguém conseguir cortá-la até cair no pé de quem não tem perdão na hora do gol, Nonato. O artilheiro da Rubra bateu esquisito de perna direita, a bola bateu onde a coruja dorme e caiu dentro da meta, abrindo o placar no estádio Abrão Manoel da Costa e fazendo a alegria da torcida colorada. Enfim parecia que a Anapolina estava colhendo as bençãos depois de tanto sofrimento na primeira etapa. Com o time mais solto em campo, apareceram mais oportunidades, o time ficou mais intenso, pressionando mais o adversário que agora necessitava correr atrás do placar. Em uma dessas saídas da defesa sob pressão, o volante tentou voltar o jogo para o zagueiro que bobeou, não alcançou a bola, e ela sobrou livre nos pés do camisa 9 que novamente com extrema frieza em frente do gol, chutou na saída do goleiro, ampliando o placar para a Anapolina.
No fim do jogo, o que se tira de lição é que todo sacrifício é válido. Mesmo sofrendo e batalhando na primeira etapa, criando oportunidades, mas pecando nos detalhes, a Rubra acabou prevalecendo em campo e na fé conseguindo superar mais um desafio no seu calvário da série B do Goiano. O próximo jogo da Anapolina será contra o mesmo Monte Cristo, no Jonas Duarte, neste domingo (02) às 16h. Este jogo, à pedido da diretoria colorada, foi alterado para domingo (previamente o jogo havia sido marcado para sábado) para que o torcedor da Anapolina possa encher o estádio e ajudar na conquista de mais uma vitória na Divisão de Acesso.

 

 

>> Confira mais notícias

 

 
teste

 

Associação Atlética Anapolina desde 1948. Todos os direitos reservados � 2010 - Mapa do Site Meener Enkontre